Páginas

domingo, 9 de março de 2014

manual do amor: minha confissão



Pela primeira vez na vida pensei em um título para o texto antes mesmo de cria-lo. Tudo isso porque por um momento desejei que realmente existisse um “Manual do Amor”, com quinze edições e vinte e três reimpressões. Mas infelizmente não existe. Não um que funcione.
Desde muito cedo aprendemos sobre o amor. Primeiro o da mamãe, que é o maior do mundo, depois do papai, que é o mais inexplicável e então partimos para uma variedade tão imensa de amores, que aos três anos já somos amantes. Amamos o Sansão, cachorrinho da vizinha de cima, o vovô que mora longe e tem barba longa, a tia que nos dá doces e assim vai, até que aprendemos sobre um novo amor que nos deixa com uma sensação tão boa, que paralelamente já aprendemos o que é felicidade, pois é, são os amigos. Algumas vezes temos a sorte de ter um amigo desses em casa, com um nome parecido com o nosso e até umas semelhanças, são os amigos eternos, mais chamados de irmãos.
Depois de algum tempo descobrimos sobre um amor diferente. Um sentimento que dá mais dores do que amores, que nos faz queimar mais neurônios que a escola em dez anos, entretanto é tão, mais tão bom que você faz tudo novamente umas dez vezes. Às vezes com dez pessoas diferentes, outras vezes com apenas uma. É o amor chamado de paixão, segundo os cientistas dura três meses e como temos tendência em acreditar neles...digo que não, vejo a paixão há quinze anos entre a Mari e o Adri.
Sempre idealizei meu amor, assisti tantos filmes de romance meloso que fiquei craque em definir todas as qualidades que o amor da minha vida teria. Todas mesmo. Sei que muitas meninas, assim como eu, aos doze se apaixonavam tantas vezes que colecionavam nomes. Eu me apaixonava por personagens de livros, a amiga de carteira por protagonistas de novelas e assim ia. Cada qual com seus namorados imaginários, até que um dia desistíamos de encontrar esse tal do cara perfeito. Talvez o príncipe do cavalo branco realmente não existisse, assim como o Pedro falou daquela vez.
Quando menos esperamos, sonhamos ou planejamos aparece alguém. Um sujeito que sempre esteve ali, ou apareceu ontem, quem garante? Um alguém que faz uma explosão dentro de você e o estrago nem lhe preocupa. Quase sempre não é o príncipe que o filme lhe mostrou como perfeito, nem tem os detalhes que você sonhou, mas de alguma forma inexplicável (acostume-se, muito do amor é inexplicável) é perfeitamente adequado para você. De vez em quando ele pode até fazer uma coisa ou outra que machuque seu coração, umas lágrimas irão rolar e com um pouquinho de diálogo tudo volta ao seu normal. Talvez ele more do outro lado da rua e possa receber um abraço e alguns beijos às três da tarde. Ou então more do outro lado do país e tenha dia e horário marcado para receber seu amor. Mas o mais importante é que receba. E que seja recíproco e motivo de felicidade intensa, porque tudo no amor é intenso. Até a tristeza.
Encontrei meu primeiro amor há alguns meses. Na verdade, anos, porque ele sempre esteve por perto, sendo amado de mil maneiras. Não sou muito experiente com esse tipo de amor justamente porque ele é o primeiro. Por isso gostaria muito desse tal de manual, quem sabe eu o entenderia em sua totalidade? Descobriria muito do não entendo nem com um milhão de explicações e nunca mais passaria uma noite em branco pensando no que foi que aconteceu. Só que então não seria amor. Não seria porque amar não é fácil. Nem amar um cachorrinho é fácil, quem dirá um humano? Pior ainda: um homem. Ô ser difícil.
Deve ser isso: Manual do Amor seria um livro falho mesmo com cem edições e oitenta e três reimpressões porque nem o lendo cinco vezes e decorando seus sábios conselhos eu entenderia um “ataque” de ciúmes em plena terça-feira de alguém tão calmo quanto camomila ou então saberia o motivo de uma saudade insana se apoderar de mim cinco minutos antes do horário combinado para vê-lo, não concordaria com o motivo para discussões pelo tal do Zap Zap serem muito mais doloridas do que as de carne e osso. Nem cinco manuais conseguiram me fazer entender porque todas as lembranças que tenho nossas são tão intensas nem porque dormir de conchinha às nove horas da noite é mil vezes melhor do que sair para o lugar mais badalado do mundo.
Confesso: manual nenhum explicaria o meu amor. Nem o seu nem o do Jude, meu gato. Não explicaria porque o amor não é explicável, porque quando amamos dizer “eu te amo” é como dizer bom dia, mas é sempre tão sincero quanto aquele primeiro, que levou meses para sair e quando saiu, foi um meio que e-ee te mo. Amar, seja a mãe ou o futuro marido, é o faz da vida válida, nascemos e morremos amando e amamos mais ainda o intervalo que nos resta entre os dois.


2 comentários:

  1. Dessa vez meu comentário será apenas uma citação deste M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O texto e eu sei que você entenderá tal ato perfeitamente. Amo você s2
    "De vez em quando ele pode até fazer uma coisa ou outra que machuque seu coração, umas lágrimas irão rolar e com um pouquinho de diálogo tudo volta ao seu normal. Talvez ele more do outro lado da rua e possa receber um abraço e alguns beijos às três da tarde. Ou então more do outro lado do país e tenha dia e horário marcado para receber seu amor. Mas o mais importante é que receba. E que seja recíproco e motivo de felicidade intensa, porque tudo no amor é intenso. Até a tristeza."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha leitora fiel, amo você. Entendi perfeitamente porque ele foi escrito pra você.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...